Big-bang

Explora cada palmo desse território
entre os botões e a rosa
inventa caminhos para os pontos cardeais
com ternura toca-os, acarinha-os
lambe-os devagarinho e te aconchega
nesse ninho que perfumas de alecrim
apossa-te dele, marca-o de ais
e da boca (que pro teu monumento
é cais) liberta o grito
entrelaça-te, desata os suspiros
ata (com arte) umbigo a umbigo
num delírio de sentidos
borda beijos de línguas enlouquecidas
no céu que já arde (em vermelhas
labaredas) e anuncia o big-bang
que explode
entre gemidos

Poema inédito, a ser publicado em breve no livro Abrašos e Abrazos

S˘nia Regina e José Gil