Em órbita

real imaginário,
a conjunção em órbita
dela se alimenta a luz ,
em céu de inverno
assédio estelar algum a desvia
ou desaquece:
dançam em harmonia nossos corpos celestes.

Poema inédito, a ser publicado em breve no livro Abrašos e Abrazos

S˘nia Regina