De Repente

Olho-te espantado:
Tu és uma Estrela do mar.
Um mistério estranho.
Não sei...

No entanto,
O livro que eu lesse,
O livro na mão.
Era sempre o teu seio!

Tu estavas no morno da grama,
Na polpa saborosa do pão...

Mas agora enchem-se de sombra os cântaros.

E só o meu cavalo pasta na solidão.